Qual será a próxima uva queridinha no mundo do vinho? Aqui estão 4 palpites

Qual será a próxima uva queridinha no mundo do vinho

O vinho é semelhante à moda. Alguns estilos parecem ter seu momento ao sol. E então, inexplicavelmente, eles entram em desuso. Mas há também a rotação de interesse que vem da necessidade: algo é descoberto, é um grande valor, mais pessoas ouvem sobre isso, a demanda aumenta, a oferta limitada força os preços a subir e, de repente, desaparece de circulação.

Como resultado, algumas pessoas do mundo do vinho estão sempre em busca da próxima descoberta: vinhos que excitam, mas são acessíveis o suficiente para que todos possam desfrutar. E agora que a região do Beaujolais está mais popular do que nunca – e mais caro como resultado – qual será o próximo queridinho do mundo do vinho?

Ascensão de Beaujolais

Antes de chegarmos ao que vem a seguir, porém, vamos explorar brevemente como chegamos aqui. A ascensão de Beaujolais foi notável. Beaujolais, uma região cênica de colinas espremidas entre Borgonha e Lyon, estava há algum tempo em crise. Na década de 1970, alcançou algum nível de fama por Beaujolais Nouveau. Em uma época em que a maioria dos vinhos era do hemisfério norte, havia um verdadeiro burburinho sobre a degustação da primeira colheita mais recente, e o Beaujolais se encaixava nessa conta, correndo para engarrafar e depois para o mercado, dois meses após a colheita das uvas.

Mas esses vinhos tinham pouco a oferecer além de sua novidade, e a região passou a ser vista apenas como uma fonte de tintos baratos, leves e inconsequentes. Os preços eram baixos e os produtores lutavam.

Mas sua sorte mudou. Beaujolais é incomum entre as regiões vinícolas, pois é quase inteiramente definido por uma variedade de uva: Gamay. Apenas 3% da região é plantada com Chardonnay, o resto é Gamay Noir à Jus Blanc, para dar seu nome completo. Felizmente, Gamay é uma variedade de uva cujo tempo chegou. Com a crescente aceitação de vinhos tintos de estilo mais leve entre a comunidade de sommeliers e o público consumidor de vinho em geral, a Gamay de repente é uma variedade estrela.

Embora sempre tenha sido vista como uma uva inferior à Pinot Noir na França – e famosa em 1395, quando Filipe, o Ousado a baniu da Côte d’Or chamando-a de uma variedade mais desleal – em outras partes do mundo do vinho, os sommeliers hipster agora preferem pegar um Gamay da prateleira do que Pinot Noir.

Beaujolais – vinhos Gamay agora está firmemente estabelecido como desejável. E embora ainda represente um bom valor, aumentou de preço e, mais notavelmente, a disponibilidade dos melhores vinhos é esticada a ponto de ficar difícil encontrá-los. Seu sucesso forjou uma ponte pela qual outros vinhos anteriormente menos conhecidos ou de nicho podem passar. Então, o que vem a seguir, seguindo o sucesso de Beaujolais? Qual será o próximo queridinho? Temos quatro sugestões.

Qual será a próxima uva queridinha no mundo do vinho?

PAÍS

Também conhecida como Mission, Criolla Chica e Listán Prieto, País é a variedade de uva original que chegou às Américas no século XVI. Seu talento é para rendimentos saudáveis de uvas que fazem um vinho tinto leve e, até recentemente, era usado principalmente para fazer vinho de jarro genérico barato. Mas com a ascensão do vinho natural e a moda dos tintos mais leves, os viticultores do sul do Chile perceberam que estão sentados em um fabuloso recurso de vinhas antigas do País. Os resultados são muitas vezes convincentes, quase sempre deliciosos e com preços atraentes.

LANGHE NEBBIOLO

Em Piemonte, Barolo e Barbaresco são vinhos famosos e invariavelmente caros. Mas Langhe Nebbiolo é muitas vezes de excelente valor e muito bons. Langhe Nebbiolo não é exatamente um segredo, mas merece mais atenção, e são vinhos que muitas vezes oferecem as emoções dos vinhos mais famosos da região a preços razoáveis.

PALHETE/CLARETE

Em Portugal e Espanha, existe um grupo de vinhos que representa um maravilhoso meio-termo entre o branco e o tinto, conhecidos alternadamente por Palhetes ou Claretes. Feito a partir da co-fermentação de uvas tintas e brancas, o resultado são vinhos tintos pálidos mais escuros que os rosés, mas não totalmente tintos. No passado, estes costumavam ser vinhos baratos para trabalhadores agrícolas, e então eles praticamente desapareceram. Mas entre os brancos fermentados na pele (vinhos laranja ou âmbar, como são conhecidos) os Claretes e Palhetes estão de volta.

CINSAULT

A candidata final é outra variedade de uva, Cinsault. Produz generosamente e adapta-se soberbamente a climas quentes e secos, onde produz grandes cachos de bagas grandes. Os seus vinhos tintos de cor mais clara têm uma frescura encantadora, mas também é um útil componente de mistura.

Deisi Remus
Um sagitariana legítima e louca por gatos. Formada em Moda e adora escrever sobre as principais tendências e lançamentos de beleza. Saiu de Porto Alegre para encarar novos desafios em São Paulo.
Post criado 74

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo