Julgamento de Paris foi a degustação que mudou a história do vinho

Julgamento de Paris

Julgamento de Paris: Durante a maior parte do século 20, nada poderia vencer os vinhos da França, pois era o único vinho considerado digno de veneração.

A degustação de vinhos do Julgamento de Paris de 1976 mudou tudo isso. De uma só vez, dois vinhos da Califórnia superaram o melhor que a França tinha a oferecer, e as reverberações dessa degustação ainda podem ser sentidas hoje. O Julgamento de Paris mudou a forma como as vinícolas do Novo Mundo se percebiam e anunciou o crescimento do atual mercado global de vinhos. É um evento que todos os amantes do vinho, mas principalmente aqueles que preferem os vinhos californianos, devem estar familiarizados.

O Julgamento de Paris

A degustação de Paris foi organizada por Steven Spurrier, um comerciante de vinhos inglês apaixonado por todas as coisas francesas. Sua loja de vinhos em Paris, Les Caves de la Madeleine, era famosa não apenas por seus vinhos de alta qualidade, mas também pela l’Academie du Vin, uma escola de vinhos que Spurrier iniciou em Paris em 1973 e hoje tem filiais em todo o mundo.

A ideia para a degustação de Paris não veio de Spurrier, mas de sua sócia, Patricia Gallagher. Cidadã americana, Gallagher sabia que vinham da Califórnia alguns vinhos muito bons. Ela pensou que hospedar uma degustação de vinhos californianos e franceses em homenagem à Revolução Americana, que ajudaria a aumentar a conscientização sobre os vinhos americanos ao mesmo tempo em que homenageia a história de cooperação entre os dois países.

Embora Spurrier e Gallagher tenham provado os vinhos durante a degustação às cegas, suas pontuações não contaram. Em vez disso, trouxeram nove juízes, muitos dos quais eram figuras bem conhecidas do vinho francês. Eles incluíam Pierre Bréjoux, Inspetor Geral do Conselho de Appellation d’Origine Contrôlée e autor de vários livros sobre vinho francês; Odette Kahn, editora da Review of French Wine and Food and Wines of France; Aubert de Villaine, co-proprietário e “Grand Monsieur” do Domaine de la Romanée-Conti, sem dúvida a vinícola mais famosa de toda a França; e Christian Vannequé, sommelier chefe do La Tour d’Argent, um dos restaurantes mais famosos de Paris.

Além dos juízes, havia apenas um jornalista presente, George Taber da TIME. Taber escreveu a história original sobre a degustação, bem como um livro subsequente sobre o assunto.

Vinhos californianos venceram os da França em uma degustação às cegas só com jurados franceses
Vinhos californianos venceram os da França em uma degustação às cegas só com jurados franceses

Os Vinhos

Os vinhos Spurrier selecionados para a degustação não foram brincadeira, principalmente quando se trata dos vinhos franceses. Eles eram:

Os vinhos franceses:

Branco (Borgonha)

  • Meursault Charmes Roulot 1973
  • Beaune Clos des Mouches Joseph Drouhin 1973
  • Batard-Montrachet Ramonet-Prudhon 1973
  • Puligny-Montrachet The Maids Domaine Leflaive 1972

Vermelho (Bordeaux)

  • Castelo Montrose 1970
  • Château Haut-Brion 1970
  • Château Leoville Las Cases 1971

Os vinhos californianos:

Branco (Chardonnay)

  • Castelo Montelena 1973
  • Vinhedo Chalone 1974
  • Spring Mountain Vineyard 1973
  • Vinícola Abadia Freemark 1972
  • Vinhas de Veedercrest 1972
  • Adega David Bruce 1973

Tinto (Cabernet Sauvignon)

  • Adegas Stag’s Leap 1973
  • Ridge Vineyards Monte Bello 1971
  • Heitz Wine Cellars Martha’s Vineyard 1970
  • Vinícola Clos Du Val 1972
  • Vinhas Mayacamas 1971
  • Vinícola Abadia Freemark 1969

Se você sabe alguma coisa sobre vinho francês ou californiano, pelo menos alguns desses nomes provavelmente são muito familiares para você. Spurrier escolheu vinhos franceses que ele achava que facilmente superariam a concorrência do Novo Mundo. Afinal, ele era um comerciante de vinhos francês, sem planos de começar a importar vinho americano.

Como os vinicultores da Califórnia tentavam abertamente imitar os vinhos da Borgonha e Bordeaux, Spurrier escolheu os melhores exemplos de ambas as regiões que pôde encontrar. Três dos quatro Borgonhas eram Premiers Cru, ou vinhas First Growth, e um era um Grand Cru. Ao escolher os vinhos de Bordeaux, Spurrier procurou predominantemente blends de Cabernet Sauvignon para combinar com os vinhos Cab Sauv californianos de variedade única.

Dois dos vinhos de Bordeaux, Mouton-Rothschild e Haut-Brion, são vinícolas First Growth e foram os dois favoritos pessoais de Spurrier. Os outros dois Bordeaux foram Second Growths. Seja qual for o seu cru, no entanto, todos os vinhos franceses vieram de vinícolas que operavam há séculos, algumas de propriedade da mesma família há gerações.

Os vinhos californianos, em contraste, vieram todos de vinícolas iniciadas ou reabertas nos anos 60 e início dos anos 70, por pessoas que escolheram a vinificação como sua segunda ou terceira carreira. Eram todos típicos da “nova era” do vinho californiano: pequenas operações focadas na produção de vinho de alta qualidade, em vez do vinho de jarro produzido em massa que era tão predominante antes. Sem séculos de tradição para se apoiar, esses vinicultores experimentaram constantemente para encontrar as melhores uvas e métodos de vinificação para seus terrenos particulares.

Outro ponto de destaque é a influência da pesquisa em viticultura e enologia que ocorre na vizinha UC Davis. Esses estudos acadêmicos quebraram a ciência por trás das técnicas de viticultura e vinificação. Os pesquisadores da universidade então fizeram recomendações às vinícolas com base em suas descobertas. Embora os produtores de vinho não tenham seguido suas recomendações à risca, a parceria entre agricultores e cientistas dos EUA ajudou a desenvolver rapidamente novas tecnologias e inovações ainda em uso hoje.

Os resultados

Os resultados da degustação às cegas chocaram não apenas os participantes, mas os Estados Unidos e, eventualmente, a França. Ninguém – literalmente ninguém – esperava que os vinhos californianos se igualassem aos vinhos franceses, muito menos vencessem as categorias tinto e branco.

Para a degustação de vinhos brancos, três dos quatro melhores vinhos eram californianos, não franceses, com o Chateau Montelena vencendo com folga: 132 pontos no total, quase dez pontos à frente do segundo colocado Meursault Charmes, que recebeu 126,5 pontos.

Para a degustação de vinhos tintos, as pontuações foram muito mais próximas do que com os vinhos brancos. Mas isso não mudou o fato de que um vinho californiano venceu novamente, superando alguns dos melhores vinhos de Bordeaux. Foi o Stag’s Leap Cabernet Sauvignon que levou o dia.

Como o Julgamento de Paris mudou o mundo dos vinhos

A degustação do Julgamento de Paris recebeu uma avalanche de imprensa nos EUA, e não foi à toa: não apenas parecia que a França estava passando a tocha, de certa forma, para o vinho californiano, mas a história alimentava o mito americano de energia e engenho recém-chegados derrubando a tradição do Velho Mundo, apesar das probabilidades. O Smithsonian até comprou garrafas dos vinhos vencedores para adicionar à sua coleção.

No entanto, antes e depois do evento, houve inúmeras degustações de vinhos da Califórnia versus França, com resultados semelhantes. Por que o Julgamento de Paris é aquele a que todos se referem e lembram?

Embora o Julgamento tenha significado muito para os vinicultores americanos especificamente, ele pressagia mudanças dramáticas no mercado mundial de vinhos e o papel da França nesse mercado. Hoje, a França compete por espaço nas prateleiras – e frequentemente perde – contra vinhos dos EUA, Austrália, Argentina, Chile e África do Sul. Na própria França, os jovens consideram o vinho antiquado, preferindo cerveja ou bebidas, e muitos dos vinhos de mesa acessíveis que eram a base do jantar diário na França há quarenta anos não são mais produzidos.

O julgamento também foi uma indicação de como o vinho seria feito e qual seria seu sabor nos próximos anos. O “mondovino”, ou mundo do vinho, depende muito de tradições francesas como o uso de barricas de carvalho francês para envelhecimento, ao mesmo tempo em que utiliza tecnologia e pesquisas que, em alguns casos, servem para cortar custos.

Embora não tenha causado essas mudanças de forma alguma, a degustação do Julgamento de Paris foi um significante de que o mundo estava em um ponto de virada na forma como produzia e consumia vinho. Quer você concorde ou discorde das notas dos jurados, foi o momento em que os amantes do vinho perceberam que poderiam encontrar grandes vinhos de todo o mundo. E esse foi o Julgamento de Paris.

Deisi Remus
Um sagitariana legítima e louca por gatos. Formada em Moda e adora escrever sobre as principais tendências e lançamentos de beleza. Saiu de Porto Alegre para encarar novos desafios em São Paulo.
Post criado 74

Um comentário sobre “Julgamento de Paris foi a degustação que mudou a história do vinho

  1. Interessantíssima a matéria sobre este julgamento. Como apreciador amador do néctar dos Deuses, mais um fato para minha cultura primária.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo